Atualidades

Obesidade infantil, qual deve ser o foco?

Na última quinta-feira (03/06) foi o Dia da Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil. Quando falamos sobre obesidade é essencial ressaltar que é uma condição de saúde crônica e de etiologia multifatorial, pois a mesma comumente é estigmatizada. Já trouxemos um blog falando sobre isso, leia aqui

Na obesidade infantil o estigma não está fora de pauta. O tratamento deve ser realizado com acompanhamento psicoterápico, apoio parental e consideração dos riscos de desenvolvimento de transtornos alimentares. 

Qual deve ser o foco terapêutico na infância? Prevenção. Uma revisão sistemática das guidelines para obesidade infantil em países desenvolvidos avaliou as estratégias vigentes no contexto educacional e de cuidado infantil. Confira a tradução e adaptação do artigo! 

Introdução

A estimativa é que em 2025 a obesidade e sobrepeso infantil impacte mais de 70 milhões de crianças. Estratégias que promovam mudanças alimentares e a prática de atividade física são consideradas chaves para a saúde pública, mas para que ocorram é indispensável que a atenção seja voltada para os fatores ambientais, econômicos, políticos e socioculturais.

Métodos

As recomendações e guidelines selecionadas foram apenas dos países participantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), além de artigos científicos com publicação nacional entre 1999 a 2020.

Resultados e Discussão

Entre os resultados encontrados, 38 documentos foram selecionados dos países a seguir citados: Estados Unidos, Austrália, Inglaterra, Nova Zelândia, Canadá e Irlanda. Todas incluíam recomendações quanto ao consumo alimentar, prática de atividade física, qualidade do sono e tempo de exposição às telas.

Recomendações dietéticas

  • Oferta de refeições alinhadas com as orientações nutricionais vigentes;
  • Atendimento ao porcionamento e composição das refeições;
  • Atenção e importância para as práticas educativas alimentares;
  • Limite para o consumo de bebidas açucaradas, alimentos calóricos e ultraprocessados; 

Também orientaram, em menor frequência:

  • não usar comida como punição, recompensa ou suborno; 
  • promover um ambiente adequado e sem distrações;
  • envolver a criança no preparo e escolha dos alimentos. 

No entanto, nem todas abordaram a importância desses últimos três fatores no momento das refeições e poucas reforçaram a importância da participação parental.

Conclusão 

Uma revisão das recomendações em países desenvolvidos, os quais promovem educação e cuidado infantil de alta qualidade, propicia base para ajustes em práticas preventivas vigentes e pode influenciar o desenvolvimento de futuras guidelines em outros países.

Para acesso ao artigo na íntegra acesse esse link 🙂

Boa leitura, até mais!

Nota do autor: apenas seis dos vinte países incluídos na OECD possuíam guidelines voltadas para a prevenção da obesidade infantil. O desenvolvimento econômico e acesso à serviços de qualidade são essenciais, mas será que apenas o nível de desenvolvimento de um país é determinante para priorizar a saúde da população?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s